8 de ago de 2009

milena

Não a de Kafka, em friíssima (e trêmula) noite de lua cheia em Praga.

Comigo, quase sombra.

“Nos teus olhos também posso ver as vitrines te vendo passar.”


Natal ao ar livre.

Um comentário:

obrigado por suas gotas!